Compartilhe o Valor Comunica

Edit Template
Anúncio

Governo quer Renan e Janones na CPMI dos atos golpistas e quebrar sigilo de financiadores

Objetivo é ter tropa de choque formada por dois núcleos: um técnico e outro mediático.

Renan Calheiros, durante a CPI da Covid, em 2021. — Foto: MATEUS BONOMI/AGIF – AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/AGIF – AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO

Uma vez que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPMI) do 8 de janeiro se tornou um cenário inevitável, o governo Lula (PT) quer usar a comissão para investigar os financiadores dos atos antidemocráticos.

A avaliação é de que com quebras de sigilo fiscal e bancário – umas das prerrogativas de Comissões Parlamentares de Inquérito –, será mais fácil chegar aos empresários que financiaram a invasão dos poderes.

“A CPI vai para cima dos financiadores do 8 de janeiro. Expõe o primeiro e a CPI acaba para o bolsonarismo”, afirmou um auxiliar do presidente.

O governo acredita que há um cruzamento entre financiadores do 8 de janeiro e apoiadores de campanhas dos parlamentares da oposição, e aposta num efeito secundário da abertura da comissão: gente que poderia ainda estar fornecendo recursos para bolsonaristas – ou pretendia fazê-lo – ficaria coagido a não fazer.

Além de quebras de sigilo, a base governista vai tentar dar à CPI, logo de início, acesso às investigações sobre os atos antidemocráticos que estão sob a relatoria do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Governo quer núcleos técnico e midiático

O governo quer escalar quadros com experiência em investigação para compor a sua tropa de choque. Nesse sentido, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) é considerado o “padrão ouro” para fazer parte so grupo.

“É o jogador dos sonhos”, disse um integrante do governo. Isso porque ele conhece investigação, foi relator da CPI da Covid e agora é presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, órgão que atua como controle externo também da ação dos militares.

Um porém, no entanto, seria o veto do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), ao nome de Renan. Os dois são adversários políticos em Alagoas.

As indicações para a composição da CPMI são feitas pelos líderes das respectivas casas, mas em negociação interna e com o governo, no caso dos partidos da base.

Outro nome cotado para compor a comissão, e que é palatável para o Planalto, é o do senador Omar Aziz (PSD-AM), que foi justamente o presidente da CPI da Covid.

Senador Omar Aziz (PSD-AM). — Foto: Rede Amazônica.

Juntos, Aziz e Renan fariam parte de um núcleo mais técnico para tocar, de fato, as investigações, fazer os requerimentos e tomar os depoimentos.

Mas o governo quer também um outro núcleo, mais midiático, bom para o enfrentamento político com a oposição. Nessa frente, a aposta é no deputado André Janones (Avante-MG), estridente nas redes sociais.
André Janones (Avante) na Central das Eleições, na GloboNews, em 2022. — Foto: Marcos Serra Lima/g1

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anúncio

Outras Notícias

Fique informado com o Valor Comunica

Anúncio
////// Ads

Receba notícias direto no seu email

Comunicação e informação que constrói valor para você.

Compartilhe o Valor Comunica

WhatsApp
Pinterest
Facebook
Telegram

2023 © Todos os direitos reservados.